Birds Aren't Real: Desinformação contra desinformação

Atualizado: 1 de set.

Birds Aren't Real é uma teoria da conspiração em forma de sátira a qual afirma que os pássaros são na verdade drones operados pelo governo dos Estados Unidos para espionar cidadãos americanos. Em 2018, a jornalista Rachel Roberts descreveu Birds Aren't Real como "uma piada que milhares de pessoas contam ao mesmo tempo".

O movimento de conspiração fake é apoiado principalmente por jovens que alegam que os pássaros não são reais, mas na verdade foram substituídos por drones do governo na década de 1970. Na tradição da conspiração, cada pássaro é na verdade uma ferramenta de vigilância do estado.


É uma paródia de conspiração. Um movimento social satirizado. As pessoas sabem que isso não é real.


Em um mundo dominado por teorias da conspiração online, os jovens se uniram em torno do esforço de lutar contra a desinformação. É a tentativa da Geração Z de derrubar a ignorância usando o bizarro.

"É uma maneira de combater problemas no mundo que você realmente não tem outras maneiras de combater", diz Claire Chronis, 22, organizadora do Birds Aren't Real em Pittsburgh. “Minha maneira favorita de descrever a organização é lutar contra a loucura usando a loucura.”

Como surgiu?


No centro do movimento está Peter McIndoe, 23, um estudante de Memphis que criou Birds Aren't Real por puro tédio em 2017. Por anos, ele permaneceu no personagem como o principal crente da teoria da conspiração. Mas agora McIndoe diz que está pronto para revelar a paródia para que as pessoas não pensem que os pássaros são realmente drones.


Peter McIndoe, criador do movimento

Durante sua infância e adolescência, Peter cresceu cercado de teorias da conspiração, em uma comunidade profundamente conservadora e religiosa na zona rural do Arkansas. Ele foi educado em casa, ensinado que “a evolução foi um plano maciço de lavagem cerebral dos democratas e Obama era o Anticristo”, disse ele.


No ensino médio, as mídias sociais lhe ofereceram uma porta de entrada para a cultura moderna. McIndoe começou a assistir Philip DeFranco e outros YouTubers populares que falavam sobre eventos atuais e cultura pop, e foi ao Reddit para encontrar novos pontos de vista.

“Fui criado pela internet, porque foi lá que acabei encontrando muito da minha educação do mundo real, por meio de documentários e YouTube”, disse McIndoe. “Toda a minha compreensão do mundo foi formada pela internet.”

Quando McIndoe saiu de casa para a Universidade do Arkansas em 2016, disse ele, percebeu que não era o único jovem forçado a enfrentar várias realidades.


Então, em janeiro de 2017, McIndoe viajou para Memphis para visitar amigos. Donald Trump tinha acabado de tomar posse como presidente, e houve uma marcha das mulheres no centro da cidade. Os contramanifestantes pró-Trump também estavam lá. Quando McIndoe os viu, disse ele, arrancou um pôster da parede, virou-o e escreveu três palavras aleatórias: “Pássaros não são reais”.


“Foi uma piada espontânea, mas foi um reflexo do absurdo que todos estavam sentindo”, disse ele.


McIndoe então improvisou o folclore da conspiração Birds Are Not Real. Ele disse que fazia parte de um movimento maior que acreditava que os pássaros foram substituídos por drones de vigilância e que o acobertamento começou na década de 1970. Sem que ele soubesse, ele foi filmado e o vídeo postado no Facebook. Tornou-se viral, especialmente entre os adolescentes do Sul.


Tão bizarro que confunde os conspiracionistas


A maioria dos membros do Birds Aren't Real cresceu em um mundo invadido por desinformação. Alguns têm parentes que foram vítimas de teorias da conspiração. Então, para os membros da Geração Z, o movimento se tornou uma maneira de lidar coletivamente com essas experiências. Ao fazer cosplay de teóricos da conspiração, eles encontraram comunidade e acolhimento, disse McIndoe.


Cameron Kasky, 21, ativista de Parkland, Flórida, que ajudou a organizar o protesto estudantil March for Our Lives contra a violência armada em 2018 e está envolvida em Birds Aren't Real, disse que a paródia "faz você parar por um segundo e rir . Em um momento excepcionalmente sombrio para a humanidade, não faz mal ter algo para rir juntos.”


Os membros do Birds Are Not Real também se tornaram uma força política. Muitos vezes se juntam a contramanifestantes e teóricos da conspiração reais para diminuir as tensões e deslegitimar as pessoas que estão marchando ao lado com gritos de protesto irreverentes.


Em setembro, logo após a entrada em vigor de uma nova lei de aborto restritiva no Texas, membros do Birds Aren't Real apareceram em um protesto realizado por ativistas antiaborto na Universidade de Cincinnati. Os defensores da nova lei “tinham cartazes com imagens muito gráficas e eram muito agressivos ao condenar as pessoas”, disse McIndoe. “Isso levou a discussões.”


Mas a Brigada dos Pássaros começou a cantar: “Pássaros não são reais”. Seus gritos ensurdecedores logo ultrapassaram os gritos dos ativistas anti-aborto, que foram embora.


McIndoe agora tem grandes planos para 2022. Quebrar o personagem é necessário para ajudar Birds Aren't Real a saltar para o próximo nível e renunciar a teóricos da conspiração reais, disse ele. Ele acrescentou que espera colaborar com grandes criadores de conteúdo e mídia independente como o Channel 5 News, que visa ajudar as pessoas a entender o estado atual da América e da Internet.


“Estou muito entusiasmado com o que o futuro disso pode ser como uma força real para o bem”, disse ele. “Sim, temos espalhado desinformação intencionalmente nos últimos quatro anos, mas é com um propósito. Trata-se de segurar um espelho para os Estados Unidos na era da internet.”

 

Fontes:


Reportagem e podcast do New York Times sobre o movimento:


https://www.nytimes.com/2021/12/09/technology/birds-arent-real-gen-z-misinformation.html


https://www.nytimes.com/2022/02/09/podcasts/the-daily/why-would-anybody-claim-that-birds-arent-real.html