China fornecerá ao Afeganistão 31 milhões de dólares em alimentos e vacinas

Atualizado: 1 de set.

A China fornecerá quase US$ 31 milhões em alimentos, suprimentos para o inverno, vacinas e remédios para o Afeganistão controlado pelo Taliban, disse o Ministério das Relações Exteriores da China nesta quarta-feira (8).

Ministro do Exterior chinês, Wang Yi e o líder do gabinete político do Talibã, Abdul Ghani Baradar, reuniram-se no final de Julho. (Foto de Li Ran / Xinhua via Getty Images)

Hua Chunyin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, disse que a decisão foi anunciada durante a primeira reunião dos ministros das Relações Exteriores dos países vizinhos do Afeganistão e seria "para uso emergencial para o povo afegão".


O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, também anunciou que a China doará 3 milhões de doses de vacinas ao Afeganistão no primeiro lote, de acordo com a agência de notícias estatal chinesa Xinhua. Não está claro quando as vacinas estão programadas para serem entregues.


Os líderes chineses disseram repetidamente que a China iria compartilhar suas vacinas contra o coronavírus com o mundo todo, especialmente com os países de baixa renda, e as autoridades haviam prometido anteriormente que o Afeganistão estaria entre os vários na fila para ter acesso prioritário.


Falando na reunião dos ministros das Relações Exteriores em Pequim via link de vídeo, Wang também disse que os Estados Unidos e seus aliados são mais obrigados do que qualquer outro país a fornecer assistência econômica e humanitária ao povo afegão.

Após a retirada dos Estados Unidos do Afeganistão e subseqüente tomada do Taleban, Wang disse que os Estados Unidos deveriam "assumir suas responsabilidades" no país, ajudando a garantir seu desenvolvimento e estabilidade, ao mesmo tempo "respeitando a soberania e a independência do Afeganistão", relatou a Xinhua.

Na terça-feira, o Talibã anunciou a formação de um governo interino de linha dura para o Afeganistão, preenchendo cargos importantes com veteranos do grupo militante islâmico que participaram da luta de 20 anos contra a coalizão militar liderada pelos EUA.

Wang pediu ao Talibã que reprima o terrorismo e se una a grupos étnicos no país.


Ele disse que os vizinhos regionais do Afeganistão, que incluem Paquistão, Irã, Tadjiquistão, Turcomenistão e Uzbequistão, devem coordenar e cooperar com eles para "construir uma estrutura política ampla e inclusiva, buscar políticas internas e externas moderadas e mandar uma mensagem clara para as forças terroristas , "de acordo com a Xinhua.


A China e o Talibã


O Afeganistão compartilha uma fronteira de 80 quilômetros com a região oeste da China de Xinjiang no final do estreito Corredor de Wakhan. Após uma reunião entre os líderes do Talibã e o ministro das Relações Exteriores chinês na cidade de Tianjin em julho, Wang chamou o Talibã de "uma importante força militar e política no Afeganistão" e declarou que eles desempenhariam "um papel importante na paz do país, reconciliação e processo de reconstrução. "


Em troca, o Talibã denominou a China como "bons amigos" e prometeu "nunca permitir que nenhuma força use o território afegão para se envolver em atos prejudiciais à China", de acordo com um comunicado do Ministério das Relações Exteriores chinês na reunião.


A China, no entanto, também se beneficiou da relativa estabilidade proporcionada pelos EUA nas últimas duas décadas. A nação também está particularmente preocupada com a possibilidade de o Afeganistão se tornar uma base para terroristas e extremistas que lutam pela independência da região predominantemente muçulmana de Xinjiang - uma questão prioritária que Wang levantou com os líderes do Talibã durante a reunião de julho.



Referências

Matéria da CNN escrita por Helen Regan e Hande Atay Alam que serviu de base para esta reportagem: https://edition.cnn.com/2021/09/09/asia/china-vaccines-aid-afghanistan-intl-hnk/index.html