Conflito na Ucrânia: forças russas invadem após declaração de Putin na TV

Atualizado: 1 de set.

Forças russas lançaram um ataque militar à vizinha Ucrânia, cruzando suas fronteiras e bombardeando alvos militares perto de grandes cidades.

A foto mostra uma explosão na capital da Ucrânia.
Explosão é vista na capital ucraniana de Kiev nesta quinta-feira, 24 de fevereiro. Foto: CNN

Em um comunicado feito pela TV antes do amanhecer, o presidente russo, Vladimir Putin, disse que a Rússia não planeja ocupar a Ucrânia e exigiu que seus militares deponham as armas.


Momentos depois, foram relatados ataques a alvos militares ucranianos.


A Ucrânia disse que "Putin lançou uma invasão em grande escala no país".


Os militares da Rússia romperam a fronteira em vários lugares, no norte, sul e leste, inclusive vindos da Bielorrússia, um aliado russo de longa data.


Pelo menos sete pessoas foram mortas, incluindo civis, porém um assessor presidencial ucraniano disse que mais de 40 soldados morreram e dezenas ficaram feridos.


O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky anunciou que a lei marcial estava sendo imposta em toda a Ucrânia e, em seguida, cortou todas as relações diplomáticas com a Rússia.

"Sem pânico. Somos fortes. Estamos prontos para qualquer coisa. Vamos derrotar todos, porque somos a Ucrânia", disse ele em um comunicado em vídeo. Antes do ataque da Rússia, ele fez uma última tentativa de evitar um conflito, alertando que a Rússia poderia iniciar "uma grande guerra na Europa" e instando os cidadãos russos a se oporem a ela.

Sirenes de alerta soaram em toda a capital, que tem uma população de quase três milhões.

Imagem mostra uma mulher com duas crianças agachadas e um policial/bombeiro conversando com eles.
Famílias procuraram abrigo na profunda rede subterrânea de Kiev. Foto: BBC/Getty Images,

O trânsito fez fila para a cidade durante a noite e deixou o metrô buscaram o abrigo nas estações de Kiev. Vários países vizinhos iniciaram os preparativos para acolher um grande número de refugiados.


"Não entendemos o que devemos fazer agora", disse uma mulher chamada Svetlana à BBC. "Agora estamos indo para um lugar onde podemos estar seguros e podemos sair em segurança. Temos familiares em Mariupol e agora eles estão muito nervosos."


Um homem foi morto quando as cidades russas bombardearam a Chuhuiv, nos arredores da grande cidade de Kharkiv.


Alvos das forças militares russas


A Rússia lançou ataques à infra-estrutura militar e às unidades de guarda de fronteira da Ucrânia, de acordo com Zelensky. Em seguida, as forças ucranianas disseram que veículos militares russos cruzaram a fronteira perto de Kharkiv no norte, Luhansk no leste, Criméia anexada à Rússia no sul e também vindos da Bielorrússia. O líder autoritário da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, disse que os militares de seu país não estão envolvidos, mas podem estar, se necessário.


Tanques russos foram vistos mais tarde nos arredores de Kharkiv, uma cidade de 1,4 milhão de pessoas. As forças russas também teriam desembarcado por mar nas principais cidades portuárias da Ucrânia, Odessa, no Mar Negro, e Mariupol, no Mar interno de Azov.

O Exército ucraniano disse que o aeroporto internacional Boryspil, em Kiev, está entre vários aeródromos que foram bombardeados, juntamente com quartéis-generais e armazéns militares nas cidades de Kiev, Dnipro, Kharkiv e Mariupol.


Zelensky disse que a Rússia posicionou quase 200 mil soldados e milhares de veículos de combate nas fronteiras da Ucrânia.


O líder russo lançou uma "operação militar especial" repetindo uma série de alegações infundadas que fez esta semana, incluindo alegar que o governo democraticamente eleito da Ucrânia foi responsável por oito anos de genocídio.


Ele disse que o objetivo era a desmilitarização e a "desnazificação" da Ucrânia. Horas antes, o presidente da Ucrânia havia perguntado como um povo que perdeu oito milhões de cidadãos lutando contra os nazistas apoia o nazismo. "Como eu poderia ser um nazista?" disse Zelensky, que também é judeu.


Houve uma resposta imediata à invasão dos países vizinhos.


Na república báltica da Estônia, que faz fronteira com a Rússia, a primeira-ministro Kaja Kallas disse que vários aliados da Otan que compartilhavam fronteiras com a Rússia concordaram em iniciar consultas sob o Artigo 4 da Otan alegando que seu território está sob ameaça.

"A agressão generalizada da Rússia é uma ameaça para o mundo inteiro e para todos os países da Otan", disse ela.

Enquanto os carros faziam fila na fronteira da Ucrânia com a Moldávia, a presidente pró-UE do país, Maia Sandu, disse que estava declarando estado de emergência e estava preparada para ajudar dezenas de milhares de ucranianos. O presidente lituano Gitanas Nauseda também disse que estava assinando um estado de emergência a ser aprovado pelo parlamento.

"Presidente Putin, em nome da humanidade, traga suas tropas de volta à Rússia", disse o secretário-geral da ONU, António Guterres.

Os aliados ocidentais da Ucrânia alertaram repetidamente que a Rússia estava prestes a invadir, apesar das repetidas negações de Moscou. Os EUA, a UE, o Reino Unido e o Japão impuseram sanções contra líderes russos, bancos e deputados que apoiaram a medida.


O presidente dos EUA, Joe Biden, disse que Washington e seus aliados responderão à invasão de forma unida e decisiva a "um ataque não provocado e injustificado das forças militares russas" à Ucrânia. "O mundo responsabilizará a Rússia", acrescentou.


A chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que a UE está ao lado da Ucrânia, enquanto o chefe de política externa, Josep Borrell, disse que "estes estão entre os momentos mais sombrios para a Europa desde a Segunda Guerra Mundial".


Os 27 líderes da UE devem realizar uma reunião de cúpula de emergência ainda nesta quinta-feira.

 

Fontes:


Reportagem da BBC: https://www.bbc.com/news/world-europe-60503037


Reportagem da CNN: https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/russia-ataca-a-ucrania-explosoes-sao-ouvidas-em-varias-cidades/