Especial Resgatando a História: Campos de Concentração nos EUA

Atualizado: 5 de out.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o governo americano tomou a decisão de internar em campos de concentração os nipo-americanos que viviam nos Estados Unidos na época, com a justificativa de manter a "segurança nacional".

Campo de concentração de Manzanar, na Califórnia, durante uma tempestade de areia. Foto de 1942.

Cerca de 120 mil pessoas de ascendência japonesa, a maioria das quais vivia na costa do Pacífico, foram realocadas à força e encarceradas em campos de concentração no interior ocidental do Estados Unidos, de 1941 a 1944. Aproximadamente dois terços das pessoas detidas eram cidadãos dos Estados Unidos. Essas ações foram emitidas pelo presidente Franklin D. Roosevelt via ordem executiva logo após o ataque do Japão Imperial a Pearl Harbor.

O internamento foi considerado uma manifestação de racismo - embora tenha sido implementado com a alegação de mitigar um risco de segurança que os nipo-americanos representavam, a escala do internamento em proporção ao tamanho da população nipo-americana superou em muito medidas semelhantes que foram realizados com alemães e ítalo americanos, que eram em sua maioria não cidadãos. A Califórnia definiu qualquer pessoa com 1/16 ou mais de linhagem japonesa como uma pessoa que deveria ser internada. O coronel Karl Bendetsen, arquiteto do programa, chegou a dizer que qualquer pessoa com "uma gota de sangue japonês" se qualificava.


Histórico da Imigração Japonesa nos Estados Unidos


A sociedade norte-americana recebeu grande número de imigrantes que, na virada do século XIX para o XX, viram no continente americano uma chance de buscar melhores condições de vida. Um dos grandes grupos a migrarem para os Estados Unidos nesse contexto foram os japoneses. Como o Japão enfrentava mudanças radicais desde a Restauração Meiji, os Estados Unidos foram vistos como um local propício para a imigração.

Os japoneses que migraram para os Estados Unidos nesse momento concentraram-se no Havaí e na Costa Oeste por causa da proximidade geográfica e trabalhavam em diversas aéreas, principalmente em fazendas e em obras de construção das ferrovias. A comunidade japonesa cresceu rapidamente e, por volta da década de 1920, 110 mil japoneses e descendentes de japoneses viviam nos Estados Unidos.


À medida que a população nipo-americana continuava a crescer, os europeus americanos que viviam na Costa Oeste resistiram à chegada desse grupo étnico, temendo a concorrência e fazendo a afirmação exagerada de que "hordas de asiáticos estavam ansiosos para assumir terras agrícolas e negócios de propriedade branca". Grupos como a Liga de Exclusão Asiática, o Comitê Conjunto de Imigração da Califórnia e os Filhos Nativos do Oeste Dourado se organizaram em resposta ao surgimento desse "Perigo Amarelo". Os grupos citados fizeram lobby com sucesso para restringir os direitos de propriedade e cidadania dos imigrantes japoneses, assim como outros grupos semelhantes haviam se organizado anteriormente contra os imigrantes chineses. A partir do final do século 19, várias leis e tratados que tentaram retardar a imigração do Japão foram introduzidas. A Lei de Imigração de 1924, que seguiu o exemplo da Lei de Exclusão Chinesa de 1882, efetivamente baniu toda a imigração do Japão e de outros países asiáticos "indesejáveis".


A proibição de imigração de 1924 produziu grupos geracionais bem definidos dentro da comunidade nipo-americana. Os issei eram exclusivamente os japoneses que haviam imigrado antes de 1924, alguns deles inclusive ainda desejavam retornar à sua terra natal. Como não eram permitidos mais imigrantes, todos os nipo-americanos nascidos após 1924 eram, por definição, nascidos nos EUA e, por lei, eram automaticamente considerados cidadãos dos EUA. Os membros dessa geração, nisei, constituíam uma camada distinta da qual seus pais pertenciam. Além das diferenças geracionais usuais, os homens Issei eram tipicamente dez a quinze anos mais velhos que suas esposas, tornando-os significativamente mais velhos que as crianças mais novas em suas famílias. A lei dos EUA proibia os imigrantes japoneses de se tornarem cidadãos naturalizados, tornando-os dependentes de seus filhos sempre que alugassem ou comprassem propriedades. A comunicação entre crianças de língua inglesa e pais que falavam principalmente ou completamente em japonês era muitas vezes difícil. Um número significativo de nisseis mais velhos, muitos dos quais nascidos antes da proibição de imigração, se casaram e já formaram suas próprias famílias quando os EUA entraram na Segunda Guerra Mundial.


O Ataque de Pearl Harbor

Durante as décadas de 1920 e 1930, a relação entre Estados Unidos e Japão sofreu grande desgaste, o que resultou no ataque japonês à base naval americana de Pearl Harbor no

Havaí, no dia 7 de dezembro de 1941. A declaração de guerra americana ao Japão aconteceu no dia seguinte. Com o conflito entre essas duas nações, a comunidade japonesa passou sofrer intensa perseguição dentro dos Estados Unidos.


Os descendentes de japoneses, ou nipo-americanos, passaram a ser vistos de maneira estereotipada e sofreram as consequências de boatos infundados e acusações de colaboracionismo. A comunidade nipo-americana passou a ser acusada de espionagem e de preparar-se para apoiar a invasão do exército japonês na Costa Oeste. Os boatos eram infundados, e a inteligência americana sabia que não havia nenhum tipo de colaboracionismo presente na comunidade japonesa.


Vários questionamentos sobre a lealdade dos descendentes de japoneses pareciam derivar do preconceito racial e não de qualquer evidência de má conduta. O relatório da Comissão Roberts, que investigou o ataque a Pearl Harbor, foi divulgado em 25 de janeiro e acusou pessoas de ascendência japonesa de espionagem. Embora a principal descoberta do relatório tenha sido que o general Walter Short e o almirante E. Kimmel haviam sido negligentes em seus deveres durante o ataque a Pearl Harbor, uma passagem fazia referências vagas a "agentes consulares japoneses e outras pessoas sem relações com o serviço de espionagem japonês" transmitindo informações para o Japão. Era improvável que esses "espiões" fossem nipo-americanos, pois os agentes de inteligência japoneses desconfiavam de seus colegas americanos e preferiam recrutar "brancos e negros". A mídia nacional e da costa oeste, no entanto, usaram o relatório para difamar os nipo-americanos e inflamar a opinião pública contra eles.

O General John L. DeWitt, que administrou o programa de internamento, disse repetidamente aos jornais que "Um japonês é um japonês" e testemunhou ao Congresso: "Não quero nenhum deles [pessoas de ascendência japonesa] aqui. Eles são um elemento perigoso. Não há como determinar sua lealdade... Não faz diferença se ele é um cidadão americano, ele ainda é um japonês. A cidadania americana não determina necessariamente a lealdade... Mas devemos nos preocupar com os japoneses o tempo todo até que sejam varridos do mapa."


Ordem Executiva 9066


A Ordem Executiva 9066, assinada por Franklin D. Roosevelt em 19 de fevereiro de 1942, autorizou os comandantes das forças armadas a designar "áreas militares" a seu critério, "das quais qualquer ou todas as pessoas podem ser excluídas". Essas "zonas de exclusão", eram aplicáveis ​​a qualquer um que o comandante militar autorizado pudesse escolher, fosse cidadão ou não cidadão.


Em 2 de março de 1942, o general DeWitt, comandante da Defesa Ocidental, anunciou publicamente a criação de duas zonas militares restritas. A Área Militar No. 1 consistia na metade sul do Arizona e na metade ocidental da Califórnia, Oregon e Washington, bem como toda a Califórnia ao sul de Los Angeles. A Área Militar No. 2 cobria o resto desses estados. A proclamação de DeWitt informou aos nipo-americanos que eles seriam obrigados a deixar a Área Militar 1, mas afirmou que eles poderiam permanecer na segunda zona restrita. A remoção de pessoas na Área Militar No. 1 ocorreu inicialmente por meio de "evacuação voluntária". Os nipo-americanos eram livres para ir a qualquer lugar fora da zona de exclusão ou dentro da Área 2, com arranjos e custos de realocação a serem arcados pelos indivíduos. A política durou pouco; DeWitt emitiu outra proclamação em 27 de março que proibia os nipo-americanos de deixar a Área 1. Um toque de recolher noturno, também iniciado em 27 de março de 1942, impôs mais restrições aos movimentos e à vida cotidiana dos nipo-americanos.


O despejo de nipo-americanos da Costa Oeste começou em 24 de março de 1942, com a Ordem de Exclusão Civil Nº 1, que deu aos 227 nipo-americanos residentes de Bainbridge Island, estado de Washington, seis dias para se prepararem para sua "evacuação" diretamente para Manzanar. O governador do Colorado, Ralph Lawrence Carr, foi o único funcionário eleito a denunciar publicamente o internamento de cidadãos americanos (um ato que custou sua reeleição, mas lhe rendeu a gratidão da comunidade nipo-americana, de modo que uma estátua dele foi erguida em Sakura, em Denver. Um total de 108 ordens de exclusão emitidas pelo Comando de Defesa Ocidental nos próximos cinco meses completaram a remoção de nipo-americanos da Costa Oeste em agosto de 1942.

A bagagem de nipo-americanos da Costa Oeste, em um centro de recepção improvisado localizado em uma pista de corrida.

Além de prender os descendentes de japoneses nos EUA, os EUA também internaram japoneses deportados da América Latina. Treze países latino-americanos — Bolívia, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, Equador, El Salvador, Guatemala, Haiti, Honduras, México, Nicarágua, Panamá e Peru — cooperaram com os EUA apreendendo, detendo e deportando para os EUA 2.264 japoneses Cidadãos latino-americanos e residentes permanentes de ascendência japonesa.


Manzanar


Manzanar foi o local de um dos dez campos de concentração americanos, onde nipo-americanos foram encarcerados durante a Segunda Guerra Mundial, de março de 1942 a novembro de 1945. Está localizado no sopé das montanhas de Sierra Nevada, no vale de Owens, na Califórnia, entre as cidades de Lone Pine ao sul e Independence ao norte, aproximadamente 370 km ao norte de Los Angeles. Manzanar significa "pomar de maçãs" em espanhol.


Foi o primeiro dos dez campos de concentração a serem estabelecidos, e começou a aceitar detentos em março de 1942. Inicialmente, era um "centro de recepção" temporário, conhecido como Owens Valley Reception Center, de 21 de março de 1942 a 31 de maio de 1942. Naquela época, era operado pela Wartime Civilian Control Administration (WCCA) do Exército dos EUA.

O Owens Valley Reception Center foi transferido para a WRA - War Relocation Authority (Autoridade para Realocação em Tempos de Guerra) em 1º de junho de 1942 e tornou-se oficialmente o "Centro de Relocação da Guerra de Manzanar". Em meados de abril, em torno de mil nipo-americanos chegavam diariamente e, em julho, a população do campo se aproximava de dez mil pessoas. Cerca de 90% dos encarcerados eram da área de Los Angeles, com o restante vindo de Stockton, Califórniaa e Ilha Bainbridge, Washington. Muitos eram agricultores e pescadores. Manzanar manteve aproximadamente 10.040 adultos e crianças encarcerados em seu auge.


O clima em Manzanar causou sofrimento aos cidadãos, poucos dos quais estavam acostumados aos extremos climáticos da região. Enquanto a maioria das pessoas era da área de Los Angeles, algumas eram de lugares com climas muito diferentes (como Bainbridge Island em Washington). Os edifícios temporários eram inadequados para proteger as pessoas das intempéries.


Os verões no solo do deserto do Vale Owens são geralmente quentes, com temperaturas superiores a 38 ° C não sendo incomuns. Os invernos trazem neve ocasional e temperaturas diurnas que geralmente caem na faixa de 4 °C . A poeira sempre presente era um problema contínuo devido aos ventos fortes frequentes; tanto que as pessoas geralmente acordavam de manhã cobertas da cabeça aos pés com uma fina camada de poeira, e constantemente tinham que varrer a sujeira do campo.


"No verão, o calor era insuportável", disse o ex-detento de Manzanar, Ralph Lazo. "No inverno, o petróleo escassamente racionado não aqueceu adequadamente o quartel de pinho com buracos no chão. O vento soprava tão forte que jogava pedras ao redor."


Depois de serem arrancadas de suas casas e comunidades, as pessoas encarceradas tiveram

que suportar condições primitivas e uma extrema falta de privacidade. Tinham que esperar na fila para fazer refeições, nas latrinas e na lavanderia. Cada acampamento foi planejado para ser auto-suficiente, e Manzanar não foi exceção. As cooperativas operavam vários serviços, como o jornal do acampamento, salões de beleza e barbearias, conserto de sapatos, bibliotecas e muito mais. Além disso, havia alguns que criavam galinhas, porcos e legumes e cultivavam os pomares existentes para fruta. Durante o tempo em que Manzanar estava em operação, 188 casamentos foram realizados, 541 crianças nasceram no campo e entre 135 e 146 indivíduos morreram.


O fim dos campos


Em 18 de dezembro de 1944, a Suprema Corte proferiu duas decisões sobre a legalidade do encarceramento sob a Ordem Executiva 9066. Korematsu v. Estados Unidos, uma decisão de 6 a 3 sustentando a condenação de um nisei por violar a ordem de exclusão militar, afirmou que, em Em geral, a remoção de nipo-americanos da Costa Oeste era constitucional. No entanto, Ex parte Endo declarou por unanimidade naquele mesmo dia que cidadãos leais dos Estados Unidos, independentemente de descendência cultural, não poderiam ser detidos sem justa causa. Com efeito, as duas decisões afirmavam que, embora o despejo de cidadãos americanos em nome da necessidade militar fosse legal, o encarceramento subsequente não o era - abrindo assim o caminho para sua libertação.


Alertado para a decisão da Corte, o governo Roosevelt emitiu a Proclamação Pública nº 21 um dia antes das decisões de Korematsu e Endo serem tornadas públicas, em 17 de dezembro de 1944, rescindindo as ordens de exclusão e declarando que os nipo-americanos poderiam retornar à Costa Oeste no mês seguinte.


Embora o diretor da WRA, Dillon Myer, e outros tenham pressionado por um fim antecipado do encarceramento, os nipo-americanos não foram autorizados a retornar à Costa Oeste até 2 de janeiro de 1945, sendo adiados até depois da eleição de novembro de 1944, para não atrapalhar a campanha de reeleição de Roosevelt. Muitos internos mais jovens já haviam se "reassentado" em cidades do Centro-Oeste ou do Leste para buscar oportunidades de trabalho ou educação. (Por exemplo, 20.000 foram enviados para Lake View em Chicago). A população restante começou a deixar os campos para tentar reconstruir suas vidas em casa. Os cidadãos que haviam sido detidos receberam 25 dólares e uma passagem de trem para seus locais de residência pré-guerra, mas muitos tinham pouco ou nada para onde voltar, tendo perdido suas casas e negócios. Quando os nipo-americanos foram enviados para os campos, eles só podiam levar alguns itens com eles e, enquanto encarcerados, só podiam trabalhar em empregos escassos com um pequeno salário mensal de US$ 12 a US$ 19. Assim, quando o internamento terminou, os nipo-americanos não só não podiam voltar para suas casas e negócios, mas tinham pouco ou nada para sobreviver, muito menos o suficiente para começar uma nova vida. Alguns emigraram para o Japão, embora muitos desses indivíduos tenham sido "repatriados" contra a sua vontade. Os campos permaneceram abertos para residentes que não estavam prontos para retornar (principalmente idosos Issei e famílias com crianças pequenas), mas a WRA pressionou os últimos a sair eliminando gradualmente os serviços no campo. Aqueles que não haviam saído até a data de fechamento de cada campo foram removidos à força e enviados de volta para a Costa Oeste.


Ao longo da década de 1950, uma série de grupos comunitários passou a lutar para defender os direitos da comunidade japonesa nos Estados Unidos, o que resultou em um pedido de desculpa formal dado pelo governo americano durante a presidência de Ronald Reagan, em 1988. Além disso, cada prisioneiro sobrevivente foi indenizado em cerca de 20 mil dólares pelo tempo que passou nos campos.


Este episódio vergonhoso da história norte-americana, que é pouco divulgado pela mídia do país, serve para lembrar que a violência do estado, principalmente em tempos de guerra, pode ocorrer sem motivo ou razão, simplesmente baseado em preconceitos. A história registrada nos mostra que, em tempos difíceis, a ignorância e o medo podem ser a causa de muito sofrimento para minorias.

 

Fontes:


Vídeo do canal ¡Viva la Revolución! : https://www.youtube.com/watch?v=SAUdb4q0G78


Artigo do História do Mundo: https://www.historiadomundo.com.br/idade-contemporanea/campos-concentracao-nos-eua.htm


Artigo em inglês da Wikipédia sobre o fato: https://en.wikipedia.org/wiki/Internment_of_Japanese_Americans