Europa é o novo epicentro da pandemia de Covid-19

Atualizado: 1 de set.

A onda atual da Europa não resultou em uma taxa de mortalidade tão alta quanto o pico de verão nos Estados Unidos. Mas serve como um lembrete da natureza cíclica da pandemia, dizem os especialistas.

Imagens mostram as ruas da França com aglomerações.
Imagens mostram as ruas da França com aglomerações. Foto: Imago.

A Europa é agora o epicentro da pandemia Covid-19 mais uma vez, ultrapassando a contagem de casos dos EUA no final de outubro e agora caminha para um inverno difícil.


As infecções estão aumentando na maioria dos países que compõem o espaço Schengen, o bloco de 26 países onde as regras de entrada para os Estados Unidos foram relaxadas.

"Estamos em outro ponto crítico de ressurgimento da pandemia", disse o diretor regional da OMS, Hans Kluge, na semana passada, alertando que o ritmo de transmissão em toda a região era de "grande preocupação".

"De acordo com uma projeção confiável, se mantivermos essa trajetória, poderemos ver mais meio milhão de mortes de COVID-19 na Europa e na Ásia Central até primeiro de fevereiro do próximo ano", advertiu Kluge, acrescentando que 43 dos 53 países dentro deste escopo também poderiam ter um grande aumento de ocupação dos leitos hospitalares.


"A situação em toda a Europa era esperada em alguns aspectos. Prevíamos que haveria um aumento de casos nesta época do ano", disse Paul Wilmes, professor do Centro de Biomedicina de Sistemas de Luxemburgo.


E outros observam que o sucesso relativo de algumas nações altamente vacinadas, como Espanha e Portugal - onde os casos permaneceram em níveis administráveis, apesar das tendências gerais de aumento em todo o continente - pode servir de exemplo para governos na Europa e em outros lugares.


"Isso está acontecendo em muitos países, mas não é inevitável", disse Martin McKee, professor de saúde pública europeia na Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres. "Precisamos ver o que está acontecendo e quais políticas estão causando isso ... há coisas que podem ser feitas."


O ministro da Saúde da Alemanha, Jens Spahn, disse neste mês que o país está enfrentando uma pandemia "massiva" de pessoas não vacinadas. "A verdade é que haveria muito menos pacientes com Covid-19 na [terapia intensiva] se todos que pudessem receber a vacina, se vacinassem", disse ele.


“Há um reconhecimento cada vez maior de que as pessoas que não desejam contribuir para resolver os desafios da pandemia estão colocando outras pessoas em risco”, disse McKee. "Eles estão afetando a recuperação de outras pessoas e há uma impaciência crescente" em relação a eles por parte dos políticos e do público, acrescentou.

__________________________________________________________________________________

Créditos:

https://edition.cnn.com/2021/11/10/europe/us-europe-covid-winter-comparisons-intl-cmd/index.html