Golpe no Sudão: militares dissolvem o governo civil em meio a protestos

Atualizado: 1 de set.

O principal general do Sudão declarou estado de emergência na segunda-feira, horas depois de suas forças prenderem o primeiro-ministro em exercício e outros altos funcionários do governo, no que o Ministério da Informação disse ter sido um golpe militar.

Na fotografia se vê uma multidão de pessoas protestando, erguendo a bandeira do Sudão.
Manifestantes protestam contra a perspectiva de um regime militar em Cartum, Sudão, 21 de outubro de 2021. Foto: REUTERS / Mohamed Nureldin Abdallah

Os militares sudaneses tomaram o poder em um golpe nesta segunda-feira(25), prendendo membros de um governo de transição que deveria guiar o país à democracia após a derrubada do ditador Omar al-Bashir em um levante popular há dois anos.


O Sudão estava em um estado de tensão desde um golpe fracassado no mês passado que desencadeou recriminações amargas entre grupos militares e civis que deveriam estar compartilhando o poder após a deposição do governo ditatorial.


Bashir foi derrubado e preso após meses de protestos de rua. Uma transição política acordada após sua deposição viu o Sudão emergir de seu isolamento sob três décadas de governo de Bashir e deveria levar a eleições no final de 2023.


Governo dos EUA 'profundamente alarmado' com relatos de golpe

O enviado especial dos EUA para o Chifre da África, Jeffrey Feltman, disse que os Estados Unidos estavam profundamente alarmados com os relatos de uma tomada militar do governo de transição no Sudão.


No Twitter oficial do Bureau de Assuntos Africanos do Departamento de Estado, Feltman advertiu que uma tomada militar violaria a declaração constitucional do Sudão e colocaria em risco a assistência dos EUA.


Líderes mundiais e grupos de direitos humanos condenaram a detenção de várias autoridades sudanesas de alto escalão.


Militares tomam o poder após falta de consenso entre membros do conselho


Abdel Fattah al-Burhan, um general que chefiou o Conselho Soberano, um órgão governante que compartilha o poder, anunciou o estado de emergência em todo o país e dissolveu o conselho e o governo de transição na segunda-feira.

A internet foi cortada, enquanto estradas e pontes em Cartum foram bloqueadas. O aeroporto também foi fechado e as sedes da televisão e rádio estatais foram invadidas por forças de segurança.


O primeiro-ministro Abdallah Hamdok está entre os que foram detidos e colocados em prisão domiciliar, junto com membros de seu gabinete e outros líderes civis.


Um comunicado do ministério da informação no Facebook disse que os presos estavam sendo mantidos em "um local não identificado".


Também disse que Hamdok estava sendo pressionado a apoiar um golpe, mas se recusava a fazê-lo e, em vez disso, pediu às pessoas que continuassem com protestos pacíficos para "defender a revolução".


__________________________________________________________________________________

Créditos às reportagens da BBC, France24, Al Jazeera e Reuters que serviram como base para esta matéria:

https://www.bbc.com/news/world-africa-59033142

https://www.france24.com/en/africa/20211025-live-sudan-s-armed-forces-detain-pm-hamdok-for-refusing-to-join-coup

https://www.aljazeera.com/news/2021/10/25/world-leaders-react-to-sudan-arrests

https://www.reuters.com/world/africa/military-forces-arrest-senior-civilian-figures-sudan-al-hadath-tv-2021-10-25/