Primeiro-Ministro polonês acusa UE de chantagem enquanto a disputa sobre o estado de direito aumenta

Atualizado: 1 de set.

O primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, acusou a União Europeia de chantagem em um acalorado debate com a chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, sobre o estado de direito.

Foto mostra duas bandeiras tremulando ao vento, uma é da União Europeia a outra é da Polônia.
União Europeia vinha tentando evitar confronto político com Polônia, mas curso pode mudar agora. Foto: DW

O confronto no Parlamento Europeu ocorreu após uma decisão de um tribunal polonês que rejeitou partes importantes da legislação da União Europeia.


Von der Leyen disse que agiria para evitar que a Polônia minasse os valores da UE, em resposta, Morawiecki rebateu "a linguagem das ameaças" e acusou a União Europeia de abusar de seus poderes.


Os poloneses apóiam esmagadoramente fazer parte da UE, sugerem as pesquisas de opinião, mas o governo nacionalista de direita da Polônia está cada vez mais em desacordo com o bloco econômico em questões que vão dos direitos LGBT à independência judicial.


A última disputa chegou ao auge por causa de uma decisão controversa e sem precedentes do Tribunal Constitucional da Polônia que, na verdade, rejeita o princípio básico no qual dita que as leis da UE tem primazia sobre a legislação nacional.


O caso, apresentado pelo primeiro-ministro polonês, foi a primeira vez que um líder de um estado membro da UE questionou os tratados da UE em um tribunal constitucional nacional.

Na foto, é possível ver o primeiro-ministro Polonês, Mateusz Morawiecki, discursando em um púlpito da união europeia. Ao fundo é possível ver outros parlamentares da União Europeia.
O primeiro-ministro da Polônia, Mateusz Morawiecki (Direita), disse que seu país foi atacado de forma "injusta". Foto: Getty Images.

Em um discurso que ultrapassou seu tempo concedido, Morawiecki disse que a Polônia estava "sendo atacada" por líderes da UE e que era "inaceitável falar sobre penalidades financeiras".


"A chantagem não deve ser um método político", disse Morawiecki, do partido governista conservador-nacionalista Lei e Justiça.


Ao contrário do Reino Unido antes do referendo do Brexit em 2016, o apoio à adesão à UE continua alto na Polônia. Protestos em massa foram realizados por poloneses que apóiam a permanência no bloco econômico.


No início deste mês, mais de 100.000 pessoas se reuniram na capital, Varsóvia, para mostrar seu apoio à adesão da Polônia à UE.

__________________________________________________________________________________

Créditos à reportagem original da BBC, que serviu como base para esta matéria: https://www.bbc.com/news/world-europe-58955375